Distância infinita

Homenagem ao escritor Vergílio Ferreira realizada em 2016 na sua terra natal —Melo, Gouveia e Sintra, onde viveu. Porque é grande a distância que vai da ausência ao esquecimento.
O pulsar omnipresente da água, a neblina nas montanhas horizonte, a noite escura: Melo torna a escrita de Vergílio ainda mais presente. Porque um escritor não se dissocia daquilo que é, e o que é, é-o também por tudo o que presencia e o constrói como pessoa. E lá, face à evidência acidental, tive uma imagem impressa nalgum lugar microscópico do corpo, num tempo suspenso que abre espaço à dimensão do eterno. Aí me escuto, me reconheço.